Cuidados Pós Tatuagem, por Zen!

Piercings - Cuidados Pós Aplicação - Resumido, por Zen!

Apoio: Mr. Rock Store

Apoio: Mr. Rock Store
Mr. Rock Store - Varejo e Atacado. Seu lugar de rock sempre!

domingo, 17 de junho de 2007

A História das Pin-ups - parte 1, por Zen.


Pin-ups são ilustrações, ou mesmo fotografias, de lindas mulheres em cenas corriqueiras, poses e roupas provocantes, porém sem nenhuma vulgaridade e sim sensualidade. Linda, sexy, sorridente, ingênua. Assim é o estereotipo da pin-up, uma garota de papel, desenhada ou fotografada, numa revista ou num calendário, a pin-up não é uma mulher de verdade e sim uma fantasia. O conceito clássico de uma pin-up é ser sexy e ao mesmo tempo inocente. Estar vestida, mas em alguma posição ou situação que revele sensualmente partes do corpo, sem querer, ao acaso. Só isso já era suficiente para alimentar a fantasia masculina. Uma verdadeira pin-up jamais pode ser vulgar ou oferecida, pode somente ser convidativa.

O termo “pin-up” surge nos anos 40, mas as belas são filhas da revolução industrial. É no século 19 que são obtidas as condições para a consagração dessas mulheres quando surgem os meios de produção das imagens em massa, uma classe média urbana e uma sociedade mais aberta à representação da sexualidade feminina. Aos poucos vão sendo difundidos, na Europa e nos Estados Unidos, os calendários sexys, os cartões-postais e os pôsteres de atrizes de teatro, por vezes desnudadas e sempre sensuais. O ato de se pendurar essas imagens nas paredes se chama pin-up.


No final do século 19, o teatro de revista vivia o seu auge e transformou dançarinas em estrelas, fotografadas para revistas, anúncios, cartões e maços de cigarros sempre com muita voluptuosidade. Em uma época em que a sensualidade ainda era um tabu, imagens de mulheres fortes em cenas cotidianas, poucamente vestidas, fotografadas, pintadas ou desenhadas, começavam a construir uma história que já dura mais de um século.

O sucesso dos cartões e calendários foi tal, que estimulou editores a lançar revistas especializadas, as chamadas girlie magazines, onde exibiam pin-ups vestidas de coristas, marinheiras, enfermeiras e outros uniformes-fetiches. Mas é a revista americana Life que vê surgir o primeiro grande fenômeno pin-up, em 1887: a Gibson Girl. Desenhada por Charles Dana Gibson, ela é burguesa, chique e está… vestida! Mesmo se os trajes de banho que descem até os joelhos, parecem ser claramente ousados. Enquanto as sufragistas, nas ruas, são alvos de vaias, que os jornais populares zombam da New Woman que pretende trabalhar e ser independente, Gibson impõe esta nova mulher como um ideal romântico. Com um belo corte de cabelo; bem arrumada, ativa e segura de si, a Gibson Girl seduz os homens com o seu charme, e as mulheres com as suas roupas na moda. Em 1903, Gibson é o ilustrador o mais bem pago do país.

Pin-ups uniformizada de Gil Elvgreen
Calendário de 1951

Já nos anos 40, época da segunda guerra mundial, as imagens das lindas mulheres em poses provocantes, começam a ser usada nos exércitos para “acalmar” os ânimos dos soldados, que as chamavam de “a arma secreta”. Numa época em que mostrar as pernas era atitude subversiva, fotografias de mulheres nuas poderiam significar atentado ao pudor. O jeito de satisfazer a solidão dos soldados e a curiosidade dos adolescentes era fabricar modelos de lápis e tinta, que reproduzissem o padrão de beleza considerado ideal: seios fartos, pernas grossas, cintura finíssima.

A popularidade dessas imagens era tanta que o próprio governo começa a se utilizar delas, no intuito de aproximar seu povo de seus ideais. Ela é então requisitada pelo exército para reforçar o moral dos soldados. Passam a cobrir seus corpos nus com a bandeira estrelada, alistam-se como enfermeiras, trajam o uniforme da marinha americana. De um símbolo sexual libertino, a pin-up é elevada à patente de deusa guerreira e acaba personificando a mulher americana - segura de si e audaciosa. Cartazes militares recrutando soldados e imagens de pin-ups vestidas com roupas e motivos militares e patriotas passam a ser comuns entre os jovens americanos. Os soldados britânicos também têm a sua pin-up: Jane, uma espiã de pouca roupa a serviço da Sua Majestade, é publicada em histórias em quadrinhos no Daily Mirror.

Os governantes então passam a permitir que seus soldados carreguem suas mulheres por toda parte, chegando a lhes enviar livros e revistas com pin-ups. Anônimas e atrizes de cinema espalham-se pelas paredes dos dormitórios e portas dos armários dos soldados, dentro dos seus abrigos, discretamente incentivada pelas autoridades militares.

Pin-ups "a arma secreta"
A admiração pelas mulheres pintadas era tanta que elas eram até pintadas sobre as fuselagens, nos “narizes” de muitos aviões de combate, como símbolo de boa sorte. Essas pinturas em aviões foram chamadas de nose art.
A Nose art
Já nesta época a revista Esquire começa a publicar em suas edições desenhos de pin-ups. Pouco tempo depois elas passariam a ter seu próprio caderno na revista. De 1942 a 1946, nove milhões de exemplares da revista são enviados gratuitamente para as tropas americanas em guerra. Além disso, em 1942, quando os Correios americanos ameaçam retirar as tarifas privilegiadas da revista, sob o pretexto de que os seus desenhos são “pornográficos”, ela ganha seu processo, baseando sua defesa o papel patriótico das suas criaturas de sonho.
Revista Esquire - dezembro de 1949
(capa e interna)

Revista Esquire - janeiro de de 1948 (interna)

Desde então as pin-ups se tornaram símbolo sexual apreciado e consumido de diversas maneiras. Figurinhas, cartões, isqueiros, copos, cinzeiros, revistas, baralhos... Além dos comerciais que também empregavam pin-ups em suas marcas, como a Coca-cola, por exemplo, que durante muitos anos se utilizou dos desenhos em seus comerciais.
Baralho de pin-up
Cartões de pin-up


Revistas de pin-up
Objetos de pin-up (cinzeiros, envelopes, cadernos...)

Propagandas da Coca-cola

Outras propagandas

Tattoos de pin-ups


Próximos capítulos:
O segundo texto da série A História das Pin-ups trará a história de ícones pin-ups como Marilyn Monroe, Rita Hayworth e Betty Grable.
O terceiro texto trará a história de Betty Page, a pin-up mais famosa de todos os tempos e a única mulher a receber o título de Miss Pin-up do Mundo.
O quarto e último capítulo trará os ilustradores mais famosos dessa arte tão admirada há mais de um século. Alberto Vargas, Earl Moran, George Petty, Gil Elvgreen, alguns dos melhores artistas da arte.



Confiram todos os textos dessa série: A História das Pin-ups

Morre Betty Paige: A Pin-up Miss Mundo Link: http://oblogdozen.blogspot.com.br/2008/12/morre-bettie-page.html

Um comentário :

EdiLanE disse...

Amei a sua introdução à historia das Pin ups, estou anciosa para ler as seguintes que irá publicar, não esquece tá! bjão da Miss Nany!

Textos do Zen!

Textos do Zen!
Confira tudo o que você pode e não pode fazer para obter o melhor resultado na sua tattoo!

Textos do Zen!

Piercing - Cuidados Pós aplicação - Resumo

Textos do Zen!

Textos do Zen!

Textos do Zen!

Texto do Zen!

Textos do Zen!

Textos do Zen!

Textos do Zen!

Textos do Zen!

Textos do Zen!

Escala de Dor - Homens

Escala de Dor - Mulheres